Em diferentes cidades do país exigimos a permanência do auxílio emergencial no valor de 600 reais!




Durante dois meses, foram quase 11 mil e-mails enviados para os deputados federais, mais de 2.000 ligações para os líderes partidários, colagem de lambes em diferentes cidades do Brasil e articulação junto a outras várias organizações e movimentos. Fizemos uma enorme campanha exigindo a permanência do auxílio emergencial no valor de R$600, mas infelizmente dezembro chegou e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não colocou o projeto em votação. Com isso, o governo deixou a população brasileira assistir seu auxílio ser cortado pela metade e, consequentemente, a comida no prato.

Para quem acompanha a política de perto não é novidade alguma que esses acordos políticos só prejudicam a população mais vulnerável do país. Enquanto o governo segue ignorando essa pauta, milhões de brasileiros continuam precisando de uma renda para manter suas famílias e sobreviver em meio ao cenário de crise em que nos encontramos.

Em 2021 não teremos mais auxílio e é por isso que daqui seguimos nos organizando no planejamento dos próximos passos da nossa luta por uma Renda Básica permanente e justa no país. Se você quiser ficar por dentro de todas as atualizações da campanha, inscreva-se no nosso Whatsapp clicando aqui!
Para acompanhar os próximos passos da luta pela Renda Básica:




As ruas pediram R$600 até Dezembro: no Dia Mundial da Alimentação (19/10), diferentes cidades do país acordaram com diversos lambe-lambes espalhados por suas ruas, pedindo a volta do valor inicial do Auxílio Emergencial.









Os beneficiários do auxílio usaram a verba para:








fonte: Datafolha




Essa é uma iniciativa da campanha Renda Básica Que Queremos, composta por 270 organizações, movimentos e instituições da sociedade civil.